1.jpg
Águia de Ouro

Águia de Ouro

Nos anos 70 uma batucada animava a Vila Anglo Brasileira logo após as partidas de futebol de várzea do time Faísca de Ouro. Os integrantes do time faziam uma roda de samba que contava com a participação de sambistas ex-integrantes da escola de samba Pérola Negra, do bairro vizinho da Vila Madalena. As rodas de samba cada vez maiores e mais animadas eram comandadas por Gilson Carriuolo Antonio e Maíco, que começaram a se organizar dando origem a uma escola de samba, em 09/05/1976, denominada Águia de Ouro. 

Carnaval 2017 História Ficha Técnica Carnavais Águia de Ouro

Domingo, 01 Janeiro 2012 11:55

2012 - Tropicália da paz e do amor. O movimento que não acabou

Escrito por Redação SPcarnaval

A tropicália ou movimento tropicalista foi um movimento cultural que surgiu sob a influência de diversas correntes artísticas de vanguarda e da cultura pop nacional e internacional. Neste carnaval, a águia de ouro e a tropicália irradiam juntas suas magias.

A tropicália que surgiu de um país de natureza linda, de belezas infinitas, do sincretismo religioso e de uma grande miscigenação do folclore brasileiro e do povo tupiniquin, tupinambás, bumbaie-iê, batmacumba, bossa nova ou rock and roll, iracema e até canibais.

A tropicália sobreviveu e fez do movimento um instrumento de conscientização das massas contra a ditadura. a paz e o amor prevaleceu. O Brasil dos grandes festivais música popular brasleira, multitropicalismo em terras tropicais, em geléia geral, brasil tropical e outros parangolés... como dizia o poeta no seu cordel imaginário, tropicalismo a alegoria é a prova dos nove... um poeta desfolha a bandeira... pindorama, país do futuro: samba... carnaval... águia de ouro formando a grande geléia geral brasileira.

Na despedida, espaçonaves guerrilhas, a tropicália da paz e do amor! o movimento que não acabou e trouxe para outros carnavais as influências poéticas e ritmicas de um novo povo e uma nova tropicália. viva a tropicália!

Desenvolvimento

1º setor – país tropical
O país tropical, de araras e bananas não se curva diante da influência cultural de outras nações e, com seu poder de criação e inspiração, reage ao que lhe é imposto. neste carro, a visão carnavalesca dos momentos que marcaram um período importante da história do brasil é marcada por ícones da natureza exuberante do país tropical, do sicretismo religioso, ritmos e que fizeram parte do desenvolvimento da cultura de um movimento chamado tropicália.

2º setor – antropofagia e tropicália: devoção ou devoração
A antropofagia oswaldiana é o pensamento da devoração crítica do legado cultural universal. elaborado não a partir da perspectiva submissa e reconciliadora do bom-selvagem, mas segundo o ponto de vista desabusado do mau-selvagem, devorador de brancos.
a tropicália como estética reafirma a força da música popular como lugar de afirmação do outro, ou sua devoração, caldeirão multi-cultural que buscava através da alegoria das “imagens primitivas do brasil”, inserí-lo no cosmopolitismo do pobre. a alegoria como caminho necessário para transformar a alegria, o luto em luta, negando a busca da nacionalidade como valor essencialista, substantivo, e a arte tropicalista como instrumento de conscientização das massas, colocando a paz e o amor na guerra contra a ditadura militar.
devoração antropofágica. ditadura criada para impedir este país de copular a sua realidade e inverter nossa história.

3º setor – tropicália: os grandes festivais da música popular brasileira
Na década de 1960, o brasil vivia uma grande efervescência cultural da qual uma das pontas de lança era a música. foi nesse período de otimismo que foram criados os festivais da música popular brasileira.
alguns festivais foram marcantes, como o festival de 1967 que ousou desafinar “o bom tom” da música brasileira, predominante na época. com instrumentos acústicos e letras engajadas. gil apresentou “questão de ordem” ao lado dos beat boys com seu visual black power e guitarras elétricas. caetano trouxe “é proibido proibir” junto com os mutantes.
em 1968, tom zé defendeu “são paulo meu amor”. os mutantes concorreram com “2001” de tom zé e rita lee. mas, naquele ano, a grande revelação do festival foi gal costa que defendeu com maestria “divino maravilhoso”.
por meio dos festivais, a tropicália ganhou uma grande força no cenário da música brasileira e fez com que seus membros também alcançassem visibilidade.

4º setor – multitropicalismo
Resultado da conexão de jovens artistas da bahia, fonte da cultura afro-brasileira, com intelectuais de são paulo, o tropicalismo alcançou as imagens do cinema, da televisão, nas experiências sensoriais, nas performances dos artistas de rua e no teatro. o tropicalismo de caetano veloso encontra o cinema moderno e aponta “terra em transe” como uma das obras na origem mítica da tropicália. hélio oiticica dialóga nas artes plásticas com as influências da tropicália.
é essa relação entre procedimentos de linguagem que pode construir um fio condutor capaz de aproximar de forma produtiva, tropicalista a chanchada, cinema novo, cinema marginal, televisão, o teatro, artes plásticas... criando um multitropicalismo plural reivindicado em obras como a peça “o rei da vela”, os filmes o “bandido da luz vermelha” de rogério sganzerla; “macunaína” de walter lima, entre outros.
este impulso kitch que levou o tropicalismo musical a se aproximar da poesia concreta, do teatro oficina, da literatura moderna e do cinema, firmando a tropicália no movimento tropicalista que efervesceu no país da década de 1960.

5º setor – nave louca “a despedida”
Tropicália o movimento não acabou. surge a nova tropicália sofrendo as consequências dos punhos fortes da ditadura, os mentores do tropicalismo deixam o país numa nave surreal que denominamos poeticamente de “nave louca” carregada de emoção. com ela vão-se as esperanças de desenvolvimento de um movimento cultural vanguardista. porém, sua partida serve apenas para que os novos frutos da tropicália ganhem força e ultrapassem as barreiras impostas pela repressão.
salve a tropicália e outros parangolés!
tropicália, uma revolução na cultura brasileira. o movimento que não terminou!

Sábado, 01 Janeiro 2011 11:55

2011 - Com todo gás, a Águia de Ouro é fogo

Escrito por Redação SPcarnaval
Quinta, 01 Janeiro 2009 11:55

2009 - Enredo a Definir

Escrito por Redação SPcarnaval
Terça, 01 Janeiro 2008 11:55

2008 - A taça da felicidade, uma viagem pelos sentidos, a delícia do sorvete

Escrito por Redação SPcarnaval
Segunda, 01 Janeiro 2007 11:55

2007 - Deus fez o homem de barro e a Águia de ouro, o Brasil feito a mão

Escrito por Redação SPcarnaval

Ergue as asas mais uma vez a Águia soberana da Pompéia,feita de ouro,simbolo da grandeza dos deuses,senhora dos céus, simbolo do espirito humano,traz com seu canto a história de um povo forjado na força e na fé apresentando a alma que sensibiliza em sua habilidade artesanal.

Deus fez o Homem de barro e a Águia de ouro vem mostrar que o artesanato alem de ser mais viável é importante atividade economica do Pais, possui a real possibilidade de gerar empregos e, portanto reduzir a triste realidade da pobreza que nos assola, queremos enfatizar que a atividade artesanal tambem promove o desenvolvimento do principio espiritual, que nada mais é do que o conjunto das faculdades pisiquicas,intelectuais e morais do individuo que ao exercer o oficio de artesão, de criatura torna-se criador imagem e semelhante de Deus.

Queremos apresentar com isso a maravilhosa ferramenta que Deus, ao criar o homem de barro, colocou em suas mãos para que ele,o homem tivesse a possibilidade de prover seu sustento e o de sua familia alem de tornar-se um ser mais feliz,realizadoe produtivo, enfim portanto um ser integral,pois o contato com as matérias rústicas fornecidos pela mãe natureza lhe permitem a troca de energia com os elementos que lhes são próprios e isso lhe oferece uma experiencia única.

Levando em consideração esse preciosos aspectos de nossa proposta iremos observar essa arte que é tão fascinante quando seu povo destacando alguns pontos que servem de inspiração a arte do artesanato brasileiro,esses pontos serão: misticismo a religiosidade e o cotidiano.

Nosso compromisso é elevar ao mais alto grau o artesanato brasileiro com sua influencia multiétnica, suas profundas raizes qu7e apresentam um pais formado pelo colorido de sua gente como uma grande ciranda que nos irmana a todos em comunhão pelo nosso imenso Brasil,um Brasil feito a mão.

ABRE ALAS – SETOR 1

O HOMEM DE BARRO E A ÁGUIA DE OURO

Derrama ouro pela avenida ao passar e enche nosso olhos de luz, pois vemos nossa Águia com o brilho da coroa astral dos Deuses.A terra se levanta para formar o Homem de barro num cenário glorioso onde o barro, elemento da nossa terra se funde ao ouro elemento sagrado dos deuses abrindo nosso desfile com força desses dois materiais.

SETOR 2

O ARTESANATO MISTICO

O espirito forte da raça brasileira filha da terra donde surgiu conhece o canto das matas e o mistério dos indios que representam a alma da floresta retratada nas mascaras nas ceramicas e nos artefatos indiginas, tudo isso protegido pela força das carrancas e abencoado pelos orixás da Bahia num esforço de definir de alguma forma a grandeza mistica desse povo que cnta e ama o solo onde nasceu.

SETOR 3

A RELIGIOSIDADE

Divina luz que acalma a lama e encanta o olhar que percebe a benção de Maria na mais pura devoção, o sagrado esta presente mna oração desse povo sendo uma de suas maiores caracteristicas, uma fé verdadeira, vibrante, festiva e varonil que eleva o Brasil com seu artesanato sacro as mais altas categorias mostrando o fervor religioso de nossa gente.

SETOR 4

O COTIDIANO

Em nossa viagem por esse pais de dimensões continentais em uma profusão de cores encontraremos seu povo a retratar na sua artesania, a vida ctidiana, a moda da viola do Seresteiro sertanejo, na sanfona do forro,nas festas paroquianas onde o padre celebra o casório, na dança do boi bumba, nos retirantes nordestinos,no trato com os animais e no preparo da comida,são cenas simples mas de profunda sabedoria e grandeza.

SETOR 5

BRASIL FEITO A MÃO

Quando nos propormos a falar sobre o artesanato do nosso Brasil nos comovemos chegamos á conclusão que o nosso pais é ricamente representado na arte de seu povo,sobre tudo na arte artesanal,portanto nosso enredo é uma celebração ao Brasil com todas as suas nuances e contrastes, retratamos nesse ultimo quadro o que convencionamos chamar de o grande caldeirão mestiço, pois dessa poderosa mistura vemos surgir a grande diversidade plástica que hoje nos veste e nos torna quem somos.Mostraremosnesse grande final nesse ultimo setor que nosso Brasil é sim feito a mão, uam história de tres grandes raças , a negra , a branca e a indigina que se uniram pra formar essa raça nova corajosa,criativa, insinuante cheia de beleza em explosão de cores como o poder de suas matas.

Assim homenagearemos o nosso Brasil com a nobreza do outro e a soberania da Águia.

Domingo, 01 Janeiro 2006 11:55

2006 - Não tem desculpa

Escrito por Redação SPcarnaval
Sábado, 01 Janeiro 2005 11:55

2005 - O Pão Nosso de Cada Dia Nos Dai Hoje

Escrito por Redação SPcarnaval

Hoje é carnaval!

Os espíritos do criador, que são as virtudes dos céus qual seu imenso exército se movimenta ao receber ordem do seu comando, espelham-se por toda superfície da terra, semelhante às estrelas cadentes (guardiões da Luz) vem iluminar os caminhos e abrir os olhos dos cegos. Eu vos digo, é em verdade que são chegados tempos em que todas coisas hão de ser restabelecidas no seu verdadeiro sentido de luz, para dissipar as trevas e confundir os que obtêm ganância e orgulho e glorificar os justos (homens de bem). Do caos a destruição(apocalipse) surgirá uma \"nova era”. Era está da BONDADE, SOLIDARIEDADE (CIDADANIA), FRATERNIDADE E IGUALDADE EM COMUNHÃO COM OS POVOS.

ÁGUIA DE OURO de uma forma intensa e radical estará conclamando a todos neste carnaval a fazerem parte de um MEGA PACTO SOCIAL com compromisso de livramos nosso país e o mundo da miséria e da fome.

Estamos convictos que não é possível sonhar com democracia sem que haja cidadania para todos com dignidade e esperança para todo o nosso povo.

O canto da águia pássaro celeste, anuncia: o criador no 3º dia de sua criação nos concede a água (mares e oceanos), fontes de nossas vidas. A Águia de Ouro adverte: não podemos fazer com a água o que fazemos com a água dos tolos ouro negro (Petróleo), temos que preservar a importância desse líquido precioso que nos concede a vida desde o ventre materno até a nossa biodiversidade. Água potável, dom de Deus direito de todos.

A RIQUEZA DOS REINOS

E A VARIEDADE DE ESPÉCIES

JORRAM DA PLENITUDE

ESTRELAS NO FIRMAMENTO

CELEBRAM A COMUNHÃO DA VIDA

REFLETEM A BELEZA PURA DA ÁGUA DE DEUS

A Águia de Ouro crê no futuro do Brasil e na capacidade do povo brasileiro de construir uma civilização comprometida com a preservação do meio ambiente e com a promoção de vida com qualidade para todos. Saberemos fazer a opção por um modelo de desenvolvimento cujo o objetivo seja viver com: saúde, fraternidade e comunhão.

Não devemos compactuar e nem tolerar a exclusão social e admitir que nosso país, dotado de tantos recursos continue convivendo com legiões de famintos, sem tetos, sem terras, sem trabalho e sem condições básicas de vida com dignidade. E seja já, o entendimento e a formulação de um MEGA PACTO SOCIAL que aliás nunca houve, que respeite as diferenças e combata eficazmente as desigualdades entre pessoas e religiões do mesmo país. O direito ao alimento e a nutrição deve ser garantido cada dia e a cada pessoa. Essa responsabilidade cabe na proporção devida: a família, a sociedade e aos governantes.

Consideramos blasfêmia contra Deus e crime contra a humanidade e a desnutrição infantil (crianças futuro do Brasil).

NO PRINCIPIO DE UM NOVO TEMPO

NO SEIO DA TERRA, UMA SEMENTE DE LIBERTAÇÃO

QUEBRANDO OS GRILHÕES DA MORTE

SURGEM AS CRIANÇAS DE UM NOVO AMANHÃ

Nós vivemos em um campo de batalha de uma guerra espiritual que poderá passar a ser uma grande guerra social e por que não dizermos que já está acontecendo essa guerra de desigualdade social para acabarmos com esse batalha irmão, estenda sua mão para o próximo, pois irmão nessa guerra não há vencedor existe apenas seres humanos o mesmo em todas as catástrofes, frágil, aflito e necessitados e que ainda, assim encontram forças para sorrir mesmo tendo sua dignidade ferida o nosso povo é capaz de dançar, cantar e festejar mesmo quando tem seus direitos arrancados pela: (ganância, luxúria, gula, ira, inveja, orgulho e preguiça) nestes que são pecados que um homem ainda sustenta para si. Façamos valer desde já os nossos direitos hoje e sempre.

VIOLÊNCIA

DESORDEM E NÃO AO PROGRESSO

MARGINALIZAÇÃO E MISÉRIA

SAQUES E USURA

GANÂNCIA, ATROPELO, GUERRA E MORTE

A ÁGUIA DE OURO está dando a sua contribuição com o seu carnaval fazendo tremular a bandeira do social, iremos mostrar que o Brasil não é apenas mais uma nação é acima de tudo uma terra de imenso calor humano de uma gente que fala e faz através de seus sentimentos, transformando esse país, num verdadeiro gigante pela própria natureza, dotado de um grande coração na certeza de que seus filhos não fugiram a própria luta.

O PÃO E O VINHO

FRUTO DA TERRA E DO TRABALHO

ABENÇOADO E REPARTIDOS,

ALEGRAM AS VIDAS DOS FAMINTOS;

QUE SEMEIAM JUSTIÇA,

PARA COLHEITA DA PAZ

CARNAVAL! \"CELEBRAÇÃO DA VIDA”

Nesse carnaval nós esperamos ver surgir uma civilização comprometida com a paz, com justiça, com solidariedade (cidadania), igualdade e fraternidade. Precisamos aprender comer e beber para viver devemos sentir alegria em partilhar o que somos e o que temos o pão partilhado é sempre saboroso, bendito seja aquele que reparte o pão ao faminto e ao necessitado.

As grandes vozes do céu ressoam como trombetas e os cânticos dos anjos se lhes associam. Nós convidamos aos homens, para o divino concerto a nossa grande ópera popular, o nosso carnaval onde nele celebramos e regozijamos nossas vida com alegria e prazer.

PAI NOSSO... O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DAÍ HOJE...

PAZ E AMOR!

AMÉM A VIDA. VAMOS JUNTOS CELEBRAR.

Quinta, 01 Janeiro 2004 11:55

2004 - Sou Mais São Paulo... Ana Maria Braga Conta 450 Anos da Culinária Paulistana

Escrito por Redação SPcarnaval
Quarta, 01 Janeiro 2003 11:55

2003 - Quem Tem Olho Grande Já Entra na China

Escrito por Redação SPcarnaval

Área Restrita

Apoio

© 2016 SPcarnaval.com.br- spcarnaval@spcarnaval.com.br - Todos os Direitos Reservados