58.jpg
Segunda, 27 Julho 2015 11:18

2016 - Arte à flor da pele. A minha história vai marcar você!

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

Rosas2016LOGOAutor: André Cezari

INTRODUÇÃO

Memória da pele! Tatuagem, obra de arte viva, e atemporal tanto quanto a vida. Traçado delineado outrora pelos dentes animais, pelas lascas e pontas das pedras que marcaram os nômades, Neandertais.

Na África distante berço da humanidade, o homem e seus rituais, lavam a alma com sangue das veias ancestrais, escarificam o corpo, entronizam suas divindades naturais. Desenhos e linhas que consagram o ser e diferenciam os tribais.

Criando suas cicatrizes sobre a pele e nela os reflexos dos pigmentos demonstram orgulho, força, proteção, amuleto, amor, transe espiritual, devoção, vaidade, sexo. Sob o corpo as marcas sedutoras, refletem no olhar do outro sua mensagem sem som e sem palavras!

Marcas que transpassaram o véu da eternidade e tinha um papel social, religioso, místico... Ritos de passagens. Designa um amor absoluto, geralmente infinito, que não se enquadra nas limitações do tempo.

Onipresente, floresceu em todos os continentes, do norte, ao sul, leste e oeste, esboçando a vida de povos antigos, cravados na derme!

Historicamente a tatuagem revela hábitos e costumes que constroem o saber do homem sobre si mesmo e sobre o outro, produzindo sentido de identificação, estilos diversificados, "identidade da pele". Objeto de contemplação!

Em sua trajetória também foi marca do medo, de infâmia, criminalidade... Preconceito! Mesmo com a intolerância da sociedade humana, ela sobreviveu!

O homem. Dos nativos, aborígenes ao moderno, através da inserção de pigmentos sob a pele ou pela criação de cicatrizes, escreve seu próprio testamento.

Hoje se desenha arte. O maior órgão do corpo humano é a tela do artista, que nela imortaliza sua obra-prima, seu talento divinal!

No Carnaval 2016, a Sociedade Rosas de Ouro mostrará seus pigmentos, suas marcas encravadas na pele de seus componentes, artistas da folia que vislumbram há 44 anos a TATUAGEM delineada, traçada em seus corações pelo eterno Presidente Eduardo Basílio com a sua emblemática frase: "Serás eterna como o tempo e reflorescerás a cada Carnaval.

Uma linda homenagem, em "flashes" e estêncil, agulhas e tintas. Cores, brilho, canto, encanto e a magia do maior espetáculo a céu aberto da Terra.

SINOPSE

Um tema tão vasto, com inicio há mais de cinco mil anos, precisa muito mais que algumas linhas para ser vislumbrado. O ato de marcar o corpo é tão antigo quanto à humanidade.

Em séculos de existência, marcas criadas ou conquistadas evoluíram como o próprio homem. Exposta como insígnia, a Tatuagem venceu feras com bravura (caça e defesa - idade da pedra), esculpiu corpos (escarificações), consagrou rituais (nativos - aborígenes- tribos), lutou em batalhas e virou troféu. Desbravou os mares, e migrou com navegantes entre as antigas civilizações. Do Egito ao Japão se desenvolveu em estilos e técnicas permanentes ou não.

Mas nem sempre, Tatuagem e religião conviveram em paz, diferentemente da postura dos primitivos, máquinas de repetir tradição, as civilizações ocidentais eram volúveis diante do corpo, o mesmo povo que condenava a marca a ser instrumento de prisão perpétua no rosto de seus escravos, os imitavam sem medidas, a ponto tal que foi preciso a intervenção da igreja mais de uma vez. Perseguida, a Tatuagem foi proibida no ano 787 d.C., pelo Papa Adriano I. Hiato que durou 982 anos, até que rostos Maoris delineados em traços finos surgem na Europa, levados pelo capitão James Cook, que ao aportar na Nova Zelândia, redescobriu a prática. James Cook é o pai do termo Tattoo. (Termo originário do som da batida do ancinho tatau, instrumento usado para desenhar na pele).

A Tattoo se espalhou com a velocidade da luz, deixando dentes, pontas, e o tatau "para trás" e a energia elétrica seduziu. Forjada em metal surge a Máquina de Tatuar em 1891 - O Tatuógrafo - reproduzida a partir da invenção de Tomas Edison, foi o imigrante irlandês, Samuel O’Reilly tatuador estabelecido em Nova York quem mudou o curso da Tattoo-trajetória, entre inspirações e adaptações, capta a intenção original da invenção, e usa as engrenagens para a nova geração. Com eletricidade, agulha e tinta, tatuadores crivam a derme e concluem a arte com rapidez e perfeição.

As peles camufladas viraram atração em espetáculos circenses. Com o passar do tempo picadeiros europeus mostravam inusitados, arrepiantes e bizarros homens e mulheres que se expunham, deixando o respeitável público em êxtase, no circo das ilusões.

Entre traços e pigmentos a Tatuagem percorreu cartas náuticas, embarcou com marujos e seus cachimbos entre os dentes! Viagens fantásticas por todos os povos do mundo, até guerras retratou!

A jornada marítima continua. Nos portos, braços dos valentes homens do mar, tatuados com ancoras, sereias, tridentes, carpas, flores, andorinhas, também a saudade eloquente, exibida na pele em forma de corações flechados, nomes apaixonados, enfim, todo corpo era marcado. Em cada pele um festival de traços e cores. Idolatrada entre minorias, periferias e artistas com autonomia. O marinheiro Lucky chega ao Brasil em 1959!

E neste solo fértil, onde floresce a roseira e canta o sabiá, Lucky Tattoo fixou seu olhar dinamarquês. Socializou sua arte na margem do cais transformando em profissão o que desenvolveu durante suas navegações, encontrou suas primeiras telas brasileiras entre as mulheres de vida fácil, e na malemolência dos malandros, nos guetos, nos becos e nas vielas de Santos.

Fez fama, virou mestre! Com a arte ocupou seu lugar na sociedade, status que o levou a tatuar pessoas de todo Brasil. Paralelo ao Flower Power na década de 60, Lucky usou também os símbolos do Movimento Hippie na psicodélica tribo da paz e amor. Sua arte despertou a atenção dos cariocas que disputaram seu traço, que tatuou o dragão no braço do (José Artur Machado, o Petit,) Menino do Rio. Mistura de sotaques e tintas nos corpos já tatuados/dourados pelo astro-Rei (sol) que também penetra a pele e faz brotar o pigmento natural.

O crescimento da tatuagem moderna integrou festivais de musica internacionais e
nacionais, ganhou as ruas e se transformou em galerias vivas de arte permanente. Lucky Tattoo é o rei da Tatuagem no Brasil!

E há cinco milênios depois, as tatuagens se modificaram muito, mas não saíram de cena. Nos jovens dos anos 70, era um dos meios de expressar rebeldia social, o sentido estigmatizador do uso da tatuagem começa a mudar a partir do final dos anos 80, quando se tornou até brincadeira de criança, nas areias das praias, nas figurinhas de chiclete. A partir dos anos 90, a opção por se tatuar converteu-se em prática crescentemente visível, e forte característica das culturas jovens urbanas. Motoqueiros e suas caveiras e abutres tatuados, skatistas, surfistas, skinheads, aventureiros e artistas da musica desde Woodstock, do Heave Metal, do Rock in Rio, e do Pop, do Punk, e do Rap. Este último, utiliza o grafite e o Tattoo, aliados ao talento musical nas denúncias sociais, e na deflagração das condições carcerárias, prisionais.

Entre às grades e incautos, a flor nasce. Em cadeias e casas de detenção, códigos, dialetos, separação, ritualização, conversão e saudade! Buscando com criatividade executar a arte, detentos e seus apetrechos mostram seus símbolos. O cinema e Televisão exibiram a atuação da "flor do presídio" em títulos diversos, como exemplo, o filme Carandiru.

O estigma associado às tatuagens diminuiu, o mundo se abriu! A indústria cresceu
exponencialmente, e o mercado continuou a florescer. Apontada como obra de arte a pele!

A Tatuagem virou o jogo, continuou a inspirar e também no esporte venceu a partida. Disseminada nos campos, nas quadras e nas torcidas.

A sociedade aderiu e aceitou sua evolução. Tratada como identidade, conectada
virou expressão, chegou às feiras e convenções, liderando o discurso da autenticidade, personalidade e superação. Reconhecida em todas as peles, sem distinção. Hoje a marca esta encravada também nas pessoas tradicionais, famílias normais onde mães e pais, trazem no corpo a lembrança de seus filhos, eternizando os laços na memória da pele.

Presente no Rap, Pop e no Rock, no Samba não foi diferente. Virou marca de gente bamba, que não passa a vida em branco, tinge com as cores do seu manto, o corpo, a pele, o símbolo do seu pavilhão.

Como agulhas, os saltos finos das passistas tatuam a passarela. Os tatuadores são: A Presidente, sua Diretoria, seus artistas, cantores, compositores, ritmistas, baianas, velha-guarda...Sambistas! E o Carnavalesco. A Comunidade é a Máquina. A Pele é o Samba, que arrepia! O Estêncil é o Figurino. O Enredo são os Flashes. O Pigmento são as Cores da Agremiação. O sentimento é o Pavilhão desfraldado pelos casais de mestre-sala e porta-bandeira, que riscam o chão de poesia e espalham o perfume da nossa Roseira.

No Carnaval 2016, a Sociedade Rosas de Ouro mostrará seus pigmentos, suas pétalas e marcas encravadas na pele de seus componentes, artistas da folia que vislumbram com alegrias as profecias de seu eterno Presidente Eduardo Basílio, que há 44 anos tatuou em seus corações a frase que reescrevemos com amor e respeito a quem plantou está semente, e gerou rosas do metal mais precioso, Rosas de Ouro:

"Serás eterna como o tempo, assim como a tatuagem que a partir de agora
reflorescerá a cada Carnaval".

Lido 1260 vezes

Área Restrita

Apoio

© 2016 SPcarnaval.com.br- spcarnaval@spcarnaval.com.br - Todos os Direitos Reservados